Projeto Surge

Na sequência de testes em mar de protótipos do WaveRoller em Peniche em 2007 e 2008, foi iniciado um novo projeto (ver História da empresa). Em 2009, foi constituído um consócio formado por autoridades locais, instituições científicas e uma empresa de eletricidade, liderado pela AW-Energy, responsável pela tecnologia WaveRoller. O projeto designado “Simple Underwater Renewable Generation of Energy”, ou SURGE, é financiado pelo FP7, um programa de financiamento da União Europeia. O objetivo do projeto é criar um conversor de energia das ondas ligado à rede e instalá-lo em Peniche.

Os parceiros institucionais são: Estaleiros Navais de Peniche, Wave Energy Centre-Centro de Energia das Ondas, Instituto Hidrográfico e Câmara Municipal de Peniche. A empresa de eletricidade é a Enéolica SA.

O parque de energia das ondas consiste em três unidades WaveRoller (capacidade total nominal do parque 300 kW) e foi instalado em 2012. A construção dos dispositivos teve lugar na Finlândia e em Portugal. O trabalho inicial teve lugar na Finlândia; a construção da fundação flutuante, dos painéis compósitos e a montagem completa do WaveRoller tiverem lugar em Peniche, Portugal. O WaveRoller detém uma licença de 1MW de ligação à rede elétrica nacional em Portugal.

O trabalho pioneiro da equipa WaveRoller e dos seus parceiros inclui uma forte componente de investigação e desenvolvimento. O projeto envolveu as atividades de investigação e desenvolvimento que permitiram à tecnologia WaveRoller abrir caminho no campo da produção de energia das ondas e contribuir para o desenvolvimento global da indústria. Ao mesmo tempo, o projeto SURGE culminou com a efetiva produção de energia elétrica. A central de demonstração WaveRoller produz energia renovável limpa a partir do oceano e integra-a na rede nacional portuguesa.

O projeto SURGE também analisou o possível impacto ambiental da instalação do WaveRoller. Vários estudos analisaram a possível fricção com o fundo do mar, bem como as variáveis como o ruído e a colonização biótica do próprio dispositivo (ver mais em Ambiente). Os resultados confirmam a visão inicial de que o impacto ambiental do WaveRoller é mínimo, abrindo caminho para instalação futura do WaveRoller ao longo de linhas costeiras em que as questões ambientais são relevantes.

(Texto para imagens:)
Painel pintado de branco- imagem dos estaleiros navais de Peniche. Painel do conversor de energia das ondas WaveRoller em construção.
Local de instalação do WaveRoller
Submersão do WaveRoller no local de instalação